Publicação sobre atendimento adequado no processo de luto é lançada

Publicação sobre atendimento adequado no processo de luto é lançada

Publicação organizada por pesquisadores da USP orienta profissionais da saúde sobre o luto; e está disponível gratuitamente para download.

Por Giovanna Grepi (*)


Assim como um machucado que cicatriza, o luto é uma ferida que causa sofrimento e o cuidado adequado é fundamental para o processo de cura. Apesar da condição instalada pela perda, a atitude dos profissionais da saúde antes, durante e depois da morte pode interferir diretamente no enfrentamento da família e dos amigos. Com o objetivo de orientar os profissionais sobre o atendimento adequado para pessoas em situação de luto, pesquisadores do Grupo de Estudos em Paliativismo Pediátrico (Gepap) do Hospital das Clínicas da FMRP (HCFMRP) criaram a Cartilha de Orientações sobre Luto para Profissionais da Área de Saúde.

A iniciativa foi baseada em estudos, discussões sobre o assunto e escuta de mães em situação de luto. “No ambiente hospitalar, frequentemente, lidamos com esse tipo de situação, portanto, é de suma importância que existam orientações baseadas em evidências e em sugestões de familiares que passaram por isso”, conta Raissa Souza Aguiar, autora da cartilha e médica residente do Programa de Pediatria e Puericultura da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP.

Entre os tópicos abordados estão a definição e as atitudes dos profissionais quando há luto antecipatório, que é vivido pelo paciente ou familiares e pode se manifestar após a comunicação de um diagnóstico ou depois de intercorrências graves; luto parental, que é quando os pais perdem os filhos; luto infantojuvenil, que é caracterizado pelo luto de crianças e adolescentes; luto fetal ou perda gestacional, que é a morte antes do nascimento; e luto em situação de morte inesperada, que acontece em casos de desastres ou acidentes.

A cartilha contou com a revisão das médicas Leila Costa Volpon e Fabíola de Arruda Leite e dos psicólogos Nichollas Martins Areco e Maria Laura de Paula Lopes Pereira Martins; ilustração, da designer gráfica Sofia Beatriz Dias de Oliveira; contribuição de Isabela Soares Costa e Vanessa Alves da Costa Dessimoni; e de trechos de entrevistas do projeto de pesquisa Cuidados aos Pais Enlutados – Olhar além do óbito da criança.

Processo de luto

O luto pode ser classificado por fases, mas é importante entender que nem sempre o processo é linear e que não há um prazo determinado para acontecer. Além disso, a pessoa enlutada pode ter manifestações emocionais, cognitivas, comportamentais e fisiológicas.

“O processo de elaboração do luto é um trabalho de ajustamento à perda, que implica sofrimento, bem como a capacidade de encontrar alguma esperança, conforto e alternativas de vida”, explica Raissa.

Veja quais são as etapas, segundo a cartilha:

Receba as últimas notícias!

Não perca nossas principais notícias e notícias que você precisa saber todos os dias em sua sua caiza de entrada.

  • Aceitar a realidade da perda, ultrapassando a tendência inicial de negá-la;
  • Reconhecer e lidar com a dor da perda;
  • Fazer ajustamentos em diferentes níveis, sendo eles externos e internos;
  • Reenquadrar emocionalmente aquele que não está mais presente;
  • Integrar emocionalmente a perda.

Diferença do luto normal e do luto complicado

A cartilha ainda dedica um capítulo exclusivo para diferenciar o luto considerado normal do luto complicado. “O luto complicado ocorre quando a ligação afetiva com o falecido permanece intensa, comprometendo o processamento do luto vivenciado e a aceitação do mesmo. Nestes casos, o enlutado pode apresentar reações de negação, ambivalência, distorção e permanência nas lembranças do passado, refletindo em desequilíbrio pessoal e adoecimento”, comenta Raissa.

Entre os fatores de risco para o luto complicado estão as condições inerentes, como distúrbio de ansiedade e antecedente de múltiplos traumas; condições relacionadas ao tipo de perda, como em casos de violência ou homicídio; e baixo suporte social, dificuldades cognitivas durante o processo e aspectos individuais sobre a circunstância da morte.

Para baixar a publicação clique aqui.

(*) Giovanna Grepi escreve para o Jornal da USP. Fonte: Jornal da USP

Atualizado às 9h40


Portal do Envelhecimento

Compartilhe:

Avatar do Autor

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento escreveu 4189 posts

Veja todos os posts de Portal do Envelhecimento
Comentários

Os comentários dos leitores não refletem a opinião do Portal do Envelhecimento e Longeviver.

Descubra mais sobre Portal do Envelhecimento e Longeviver

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue lendo