O cuidado é diferente para os membros da comunidade LGBTQ+

O cuidado é diferente para os membros da comunidade LGBTQ+

Idosos e cuidadores LGBTQ+ enfrentam obstáculos e problemas porque têm duas vezes mais probabilidade de envelhecer sozinhos e quatro vezes menos probabilidade de ter filhos.

Por Elliot Montgomery Sklar e WellMed Charitable Foundation (*)


“Como o cuidado é diferente para os membros da comunidade LGBTQ+?”. Essa é uma pergunta que tenho feito ao público ao longo dos anos em conferências nacionais onde tive a oportunidade de falar sobre este assunto. Muitas pessoas não têm certeza de como responder a essa pergunta ou se existem diferenças. À medida que você conversa com membros da comunidade LGBTQ+ e considera eventos históricos durante sua vida, essas diferenças se tornam mais aparentes.  

O mês de junho é considerado o Mês do Orgulho, também chamado de Orgulho Gay, comemorado nos Estados Unidos e em outras partes do mundo. Nesse mês se comemora anos de luta pelos direitos civis e a busca contínua por justiça igualitária perante a lei, bem como as conquistas de indivíduos lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e queer (LGBTQ+). 

Para casais gays nos Estados Unidos, a opção de casar só se tornou legal no âmbito federal em 2015. O casamento tem implicações significativas para os cuidadores em termos de benefícios como a Lei de Licença Médica da Família para tirar uma folga do trabalho para cuidar de um ente querido e benefícios conjugais através da Previdência Social. Muitos casais que estão juntos há décadas, solteiros, podem não ter considerado como o casamento pode afetar o cuidado e a sobrevivência financeira à medida que envelhecemos. 

O censo dos EUA nunca mediu quantas pessoas LGBTQ+ vivem na América, mas alguns relatórios estimam que haverá cerca de 7 milhões de adultos LGBTQ+ com mais de 50 anos até 2030. Idosos e cuidadores LGBTQ+ enfrentam obstáculos e problemas únicos porque têm duas vezes mais probabilidade de envelhecer sozinhos e quatro vezes menos probabilidade de ter filhos. Como resultado, os idosos LGBTQ+ têm maior probabilidade de necessitar de cuidados de longa duração. 

No entanto, de acordo com um inquérito recente da AARP, mais de 60% dos adultos LGBTQ+ mais velhos estão preocupados com os maus-tratos em ambientes de cuidados de longa duração devido à sua sexualidade. Desde a pandemia, a escassez de pessoal tem sido generalizada em instituições de cuidados de longa duração, o que aumentou as preocupações sobre a localização de instalações que acolhessem idosos LGBTQ+.

Muitas pessoas não percebem que os idosos LGBTQ+ tornam-se cuidadores com mais frequência do que os seus homólogos heterossexuais, incluindo os próprios idosos LGBTQ+. Como os adultos LGBTQ+ têm menos probabilidade de ter filhos, eles assumem com mais frequência responsabilidades de cuidado de pais idosos e de outras “famílias escolhidas”. Na nossa sociedade, o ato de prestar cuidados ainda é considerado uma responsabilidade de gênero. 

Não perca nenhuma notícia!

Receba cada matéria diretamente no seu e-mail assinando a newsletter diária!

De acordo com informações da Aliança Nacional para Cuidados (NAC) e dados do relatório da AARP “Caregiving in the US”, muitos programas de cuidadores têm como alvo mulheres, que assumem a maior parte das responsabilidades de cuidado à medida que envelhecemos. Uma pesquisa de imagens do Google, usando o termo “cuidador”, reflete essa noção, com muitos poucos homens representados. Ainda, menos imagens refletem casais do mesmo sexo quando se trata de cuidar. Se pensarmos nas imagens publicitárias utilizadas para cuidados de saúde e cuidados de longa duração, é raro ver a comunidade LGBTQ+ representada, o que sublinha um sentimento de invisibilidade para muitos cuidadores LGBTQ+. 

Por isso foi criada a série Orgulho de Cuidar, a fim de proporcionar aos cuidadores um ambiente de apoio para discutirem as suas experiências vividas. Compartilhar e aprender com outras pessoas pode fazer toda a diferença.   

(*) Elliot Montgomery Sklar, PhD, MS é professor associado do Departamento de Ciências da Saúde da Nova Southeastern University, na Flórida. Ele trabalha ativamente para apoiar a saúde por meio de trabalhos acadêmicos, pesquisas e serviços, focados em questões relacionadas ao envelhecimento e ao cuidado. A WellMed Charitable Foundation oferece uma variedade de programas que atendem diretamente aos idosos e seus cuidadores no Texas, Novo México e Flórida, com ênfase especial no bem-estar, prevenção e convivência com doenças crônicas. Além disso, a fundação tem contribuído financeiramente com parceiros sem fins lucrativos que também atendem essa população. 

Fonte: Next Avenue 

Foto destaque de Kampus Production/pexels.


É hoje! Não perca esta live!

Portal do Envelhecimento

Compartilhe:

Avatar do Autor

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento escreveu 4216 posts

Veja todos os posts de Portal do Envelhecimento
Comentários

Os comentários dos leitores não refletem a opinião do Portal do Envelhecimento e Longeviver.

LinkedIn
Share
WhatsApp
Email