Memórias Lúdicas, um curso carregado de afetos

Cremilda Medina oferece mais uma edição do curso de Narrativas da Contemporaneidades – Memórias Lúdicas – e você pode fazer parte dessa história


São dez encontros, às quartas-feiras, comandados por ela, que é uma das maiores professoras da ECA/USP de todos os tempos. Quem não é de São Paulo, dificilmente terá outra oportunidade, pois esse curso deve retornar ao formato presencial a partir do próximo ano. Normalmente, é a opinião do cliente o termômetro de um produto. Destacar alguns depoimentos de alunos de cursos anteriores é uma ótima ferramenta de marketing, mas vamos fazer melhor, vamos compartilhar todos os depoimentos por ocasião do aniversário de 80 anos da professora comemorado em março passado. A apresentação, na forma de um glossário, feita por ela mesma, serve para orientar o primeiro encontro da nova turma da qual ainda há tempo para você se inscrever:

“Manhã de 16 de março de 2022, completo hoje oito décadas de vida e me surpreendem nas infovias: recebo um e-mail de Mário Lucena, com um e-book anexado, Livro dos Afetos, Homenagem a Cremilda Medina. Jamais imaginada, tal surpresa-homenagem apresenta os principais alicerces da oficina pedagógica a que me dedico desde tempos imemoriais, ou melhor, desde os anos 1960. Com acento na relação aluno/professor, este grupo maduro que assina as mensagens, reúne individualmente tantas histórias de vida e práticas profissionais que só um Espaço de LongeViver poderia congregar. Há uma pluralogia subjacente que me afeta em profundidade e, mais ainda, revolve o acúmulo de emoções solidárias. Se o pretexto é escrevermos Narrativas da Contemporaneidade e no ciclo da pandemia enfrentarmos a Covid-19 com Memórias Lúdicas, neste aniversário só posso registrar em um glossário de afetos o quanto estou afetada. Assim:

Nas sínteses biográficas com que Mário Lucena me apresenta, fica latente a motivação ao impulso de mudar, mudar para melhor, se transformar na busca da humanização; na sequência de depoimentos, por ordem alfabética, Abrão Jacó Goldfeder enriquece o glossário com o valor do cotidiano, o relato das situações simples, mas de rico significado na vida; para Ana Carneiro, o ato de estar afeto a não é o sentimento corriqueiro e sim, o compromisso com as vozes e as circunstâncias externas; e nessa rede de afetos, observa Ana Elisa Rodrigues Bueno, ocorre  na partilha e convivência da Oficina de Narrativas da Contemporaneidade; há atos culminantes como o que narra Ângela Balbão, outra surpresa inesquecível em final de 2019, por ocasião dos 55 anos de casamento com Sinval Medina e o lançamento de nosso livro, celebrado pelo grupo, em que ninguém lembrou de levar lenço para as lágrimas de felicidade que gotejavam aqui e ali; lágrimas, emoções, insghts do universo intuitivo revalorizados por Aurora Yasuda que, confessa, a libertam do pensamento lógico sedimentado; Cecília Borges elege a poesia para representar sua transformação facial, segundo a observação do filho, a aula deve ter sido muito boa/ seus  olhos parecem dois faróis acesos; os encontros, para Célia Morato Gagliardi, também merecem um poema que canta as admiráveis memórias / que a todos encanta; a circunstância presente também serviu, segundo Cíntia Liesenberg, para salvar dos horrores do claustro e do contexto imposto por essa pandemia; mesmo no claustro, Cléo Brito seencorajou a caminhar pela escrita; em prosa ou verso, como o faz Cristiane Pomeranz, as histórias brotam no pensamento/ vida narrada em escritas/ felizes/ doídas/afetadas; Cynthia Milani agradece a pluralidade de processos narrativos do que nomeia escrita afetiva e reconhece o brilho dos horizontes de conhecimento na interdisciplinaridade praticada; Dulce Perdigão deseja que esse brilho esteja em contínuo contágio; o segredo é não cansar, anuncia Etty Verissimo, numa espécie de fôlego de nove gatos; mesmo à distância, estreitam-se os encontros, com gente de várias regiões brasileiras e do Exterior, nesse fôlego de pensamentos e reflexões, saindo da solidão do autor para compartilhar vivências, escreve Francine Forte, intercalando prosa e poemas ao ritmo de memórias lúdicas, na linguagem do saber comum; Ione Almeida abre as Janelas para a travessia que preserva a saúde mental e os exercícios narrativos se libertam dos relatórios técnicos, das rotinas profissionais; na perspectiva de Jorge Lobato, a experiência da oficina, sem desvalorizar os elos das profissões e do conhecimento acadêmico, põe em relevo a leveza da horizontalidade relacional; e nessa leveza, Kátia Saraiva, se vale da miudeza cotidiana para transformar uma simples manteiga em um dos textos mais deliciosos que já escreveu; a riqueza do compartilhamento de saberes, histórias, memórias, conquistas, descobertas, alegrias e tanto, tanto conhecimento e paciência ultrapassam, segundo Márcia Cabral, o mapa presencial de salas ou a lonjura da Internet para abrigar, de qualquer forma, a pluralidade dos errantes; porque, diz Maria do Carmo Guido Di Lascio, em qualquer ambiente se puxa um novelo de sentimentos; ou, para Maria Eliza Henriques Silva, a oportunidade de voar de asa delta ou pular de paraquedas…; talvez um dos esforços de quem acompanha esses voos coletivos seja, no entender de Maria Lígia Pagenotto, a disposição para a escuta e o acolhimento; ou nos versos de Marie Claire Eshkenazy, uma presença marcante e envolvente em casa, na academia ou no espaço digital; Marisa Magnus, com o olhar de linguista, primeiro lança essa presença nas palavras e destas para as redes simbólicas, depois, prefere se projetar na humanidade cujas setas atravessam a existência em diferentes ciclos de vida  e, a seguir, chama a atenção para a viajante curiosa e observadora; alegrias e coragem, deseja Marisa Matsumura à parceira/orientadora da viagem em que a convidou a passar para o papel os seus sentimentos mais profundos; mas certamente, além de profundos, sentimentos positivos e Marlene Pereira da Rocha desconfia que a regente da orquestração, ao motivá-los, nem imagina o quanto alcança dessa forma; as pontes que se erguem em décadas de trabalho, na interpretação de Neyza Bravo Mendes Furgler, remetem à cumplicidade e companheirismo; ou o significado da palavra Afetar, que compreende o signo da relação entre Eu e o Outro, para Rita Duarte do Amaral; já Rosana Leal acentua a escrita que derruba as estruturas arcaicas para a comunicação mais eficaz; o horizonte alcançável para além do ano caótico se fez narrativa de incertezas e esperanças e por isso Rosineide Santos saúda a oficina do ano 2020; saudação poética que Selma de Freitas Silva amplia em adornos e cores, estampas,  um jeito de se apresentar, de conviver no ofício afetar; de 1980, em livro, ao século XXI, agora em presença, Solimar Garcia reencontra a autora de Entrevista, o Diálogo Possível, e constata que a professora-personagem é real; nada como transcriar o protagonista real em personagem com o faz na história de vida Sônia Azevedo, acentuando o tom maior da brincadeira ou, como sugere, trabalhar ludicamente com as memórias de vida é poder reviver o que vale a pena viver; e tornar nossas quartas-feiras mais belas e divertidas numa escrita presentificada, com o deslocamento de narradores e outras tantas maravilhas, na voz de Suely Tonarque, que conclui este inusitado e-book a mim dedicado no dia 16 de março de 2022.”

Haverá Glossário de Afetos mais polifônico e polissêmico? 
Nem 34 abraços apertados agradecem o Gesto Dest’Arte.

Receba as últimas notícias!

Não perca nossas principais notícias e notícias que você precisa saber todos os dias em sua sua caiza de entrada.

Foto destaque de Yaroslav Shuraev/Pexels

Serviço
Oficina online de escrita: Memórias Lúdicas com Cremilda Medina
Datas: Quartas-feiras (27 de abril – 29 de junho)
Horário: 15h às 17h
Modalidade: online
Profa. Dra. Cremilda Medina – Professora sênior da USP
Descontos: estudantes, ex-alunos nossos, ex-alunos do Fragilidades na Velhice, alunos e ex-alunos da ECA/USP e associados a ADECON têm 20% de desconto. Basta enviar mensagem para o e-mail [email protected]


https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/oficina-de-narrativas/

Mário Lucena

Jornalista, bacharel em Psicologia e editor da Portal Edições, editora do Portal do Envelhecimento. Conheça os livros editados por Mário Lucena.

Compartilhe:

Avatar do Autor

Mário Lucena

Jornalista, bacharel em Psicologia e editor da Portal Edições, editora do Portal do Envelhecimento. Conheça os livros editados por Mário Lucena.

Mário Lucena escreveu 86 posts

Veja todos os posts de Mário Lucena
Comentários

Os comentários dos leitores não refletem a opinião do Portal do Envelhecimento e Longeviver.