OMS lança novas diretrizes para o acompanhamento de pessoas com demência

OMS lança novas diretrizes para o acompanhamento de pessoas com demência

O número de pessoas com demência deve triplicar, e precisamos fazer tudo o que pudermos para reduzir nosso risco de demência.


A Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou novas diretrizes para o seguimento de pessoas com demência. Estas diretrizes fazem parte do Plano de Ação Global da OMS sobre a resposta de saúde pública à demência 2017-2025, um plano que busca, através de uma abordagem ampla, prevenir o aparecimento das demências e que inclui desde o fortalecimento dos sistemas de informação (a fim de que se saiba efetivamente o número de pessoas com algum tipo de demência, onde se encontram, quais as políticas públicas que cada país tem para a prevenção) até diretrizes para um diagnóstico correto, tratamento e atendimento; o apoio a  cuidadores de indivíduos com demência e novas pesquisas e inovação no tema.

Este plano baseia-se na previsão de que as demências devem aumentar significativamente em número até 2050. Isso significa que, nos próximos 30 anos, “o número de pessoas com demência deve triplicar, e precisamos fazer tudo o que pudermos para reduzir nosso risco de demência“, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, MSc, PhD, em um comunicado de imprensa.

Estas diretrizes ressaltam ações para que políticas públicas, instituições de saúde e profissionais da saúde em geral, possam prevenir, diagnosticar, tratar, reabilitar e propiciar melhor qualidade de vida a estas pessoas que possuem déficit cognitivo ou algum tipo de demência.  São atividades pautadas pela prevenção basicamente:

A primeira refere-se à atividade física, que deve ser recomendada para adultos com cognição normal para reduzir o risco de declínio cognitivo. Aqui, a OMS destaca que não se tratam apenas de atividades supervisionadas, mas destaca que estas poderiam ser adaptadas e ser conduzidas por não especialistas devidamente treinados e apoiados. Dentre as atividades sugeridas, os experts destacam as atividades de treinamento aeróbico.

Além da atividade física, a cessação do tabagismo é destacada como sendo de importância para reduzir o risco de declínio cognitivo e demência, além de proporcionar outros benefícios para a saúde. Como parar de fumar não é uma atitude simples e implica em orientação e supervisão profissional ou até o uso de medicações, os autores destacam os benefícios que programas de orientação em grupo, via internet ou outros meios eletrônicos, podem ser utilizadas e demonstram bons resultados.

Já sobre a dieta, a dieta mediterrânea é a indicada. Novamente a OMS destaca que suplementação multivitamínica complexa, o uso de Vitaminas B e E e/ou ácidos graxos poliinsaturados não devem ser recomendadas para reduzir o risco de declínio cognitivo e / ou demência, já que não há evidências científicas de sua utilidade.

A redução e interrupção do consumo de bebidas perigosas e nocivas trazem, além de outros benefícios para a saúde, a redução do risco de declínio cognitivo e / ou demência. Aqui novamente a OMS destaca que, devido ao baixo custo e como no aconselhamento da cessação do hábito de fumar, as orientações e intervenções eletrônicas baseadas em grupo podem ser úteis.

Quanto ao treino cognitivo, as evidências são de baixa qualidade, mas a OMS ressalva que pode ser oferecido a idosos com cognição normal ou com comprometimento cognitivo leve para reduzir o risco de declínio cognitivo e / ou demência, principalmente melhorando o desempenho de atividades da vida diária em adultos com déficit cognitivo leve.

Recebe as últimas notícias!

Não perca nenhuma notícia, receba cada matéria diretamente no seu e-mail!

Junte-se a 89 outros assinantes

Destacam ainda as diretrizes que a participação social e o apoio social estão fortemente relacionados com boa saúde e bem-estar ao longo da vida, portanto a inclusão social deve ser apoiada sempre e ao longo da vida.

A perda de peso deve ser estimulada e há evidências que esta perda de peso melhoraria o desempenho cognitivo, pelo menos em alguns domínios. O tratamento da hipertensão arterial e a redução dos níveis de glicose sanguínea e colesterol também são ressalvadas como importantes. A presença de depressão e seu tratamento devem ser observados, mas não há evidências de o uso de medicamentos para depressão reduzam o risco de declínio cognitivo e / ou demência.

Não há evidências suficientes para recomendar o uso de aparelhos auditivos para reduzir o risco de declínio cognitivo e / ou demência, apesar da manutenção da audição ser importante para os idosos de maneira geral.

As diretrizes destacam ainda a importância de implementar políticas públicas voltadas para o apoio a cuidadores. Aqui novamente a OMS destaca a presença de programas de treinamento on-line que forneçam aos cuidadores de pessoas com demência recomendações sobre o gerenciamento geral dos cuidados, como lidar com mudanças de comportamento e como cuidar de sua própria saúde.

Por fim, ressalva-se a necessidade da atenção à saúde da pessoa com déficit cognitivo e/ou demência, bem como os cuidados a estas pessoas incluírem os preceitos do cuidado centrado na pessoa em como o respeito à sua dignidade e a seus direitos.


Saiba mais em: https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/cursos/

Maria Elisa Gonzalez Manso

Médica e bacharel em Direito, pós-graduada em Gestão de Negócios e Serviços de Saúde e em Docência em Saúde, Mestre em Gerontologia Social e Doutora em Ciências Sociais pela PUC SP. Orientadora docente da LEPE- Liga de Estudos do Processo de Envelhecimento e professora titular do Centro Universitários São Camilo. Pesquisadora do grupo CNPq-PUC SP Saúde, Cultura e Envelhecimento. Gestora de serviços de saúde, atua como consultora nas áreas de envelhecimento, promoção da saúde e prevenção de doenças, com várias publicações nestas áreas.

Compartilhe:

Avatar do Autor

Maria Elisa Gonzalez Manso

Médica e bacharel em Direito, pós-graduada em Gestão de Negócios e Serviços de Saúde e em Docência em Saúde, Mestre em Gerontologia Social e Doutora em Ciências Sociais pela PUC SP. Orientadora docente da LEPE- Liga de Estudos do Processo de Envelhecimento e professora titular do Centro Universitários São Camilo. Pesquisadora do grupo CNPq-PUC SP Saúde, Cultura e Envelhecimento. Gestora de serviços de saúde, atua como consultora nas áreas de envelhecimento, promoção da saúde e prevenção de doenças, com várias publicações nestas áreas.

Maria Elisa Gonzalez Manso escreveu 44 posts

Veja todos os posts de Maria Elisa Gonzalez Manso
Comentários

Os comentários dos leitores não refletem a opinião do Portal do Envelhecimento e Longeviver.

Descubra mais sobre Portal do Envelhecimento e Longeviver

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading