Na Páscoa, que tal bacalhau com mandioca à moda Zé do Pipo?

Na Páscoa, que tal bacalhau com mandioca à moda Zé do Pipo?

O almoço de Páscoa é uma oportunidade para as famílias se confraternizarem.


O dia da Páscoa está se aproximando. Neste ano será celebrada no dia 31 de março, pois é comemorado no primeiro domingo após a lua cheia que ocorre no equinócio da primavera (no hemisfério norte) ou no equinócio do outono (no hemisfério sul). A data da Páscoa varia anualmente devido ao seu cálculo baseado no calendário lunar, e é uma das festividades mais importantes do calendário cristão, como um almoço em família.

As famílias costumam se reunir para compartilhar uma refeição especial como uma expressão de alegria e celebração pela esperança e renovação que a Páscoa simboliza. Uma refeição festiva que ocorre após a celebração litúrgica da ressurreição durante a missa de Páscoa. É um tempo de alegria, reflexão espiritual e confraternização.

Os alimentos consumidos no almoço de Páscoa podem variar de acordo com as tradições culturais e regionais, mas alguns pratos comuns incluem cordeiro (simbolizando Jesus, conhecido como o “Cordeiro de Deus”), peixe, ovos decorados (que representam a vida e renovação), pão especial e uma variedade de pratos festivos.

Meu pai, Sr. Francisco, filho de espanhóis, adorava reunir toda a família, inclusive avós e tios, com mesa de assados e bacalhau. No Brasil, devido às influências culturais e históricas, muitas famílias têm o hábito de preparar pratos com bacalhau durante a Páscoa. Essa tradição tem raízes na colonização portuguesa, já que o bacalhau era uma importante fonte de alimento para os navegadores durante as longas viagens marítimas.

O bacalhau é um peixe salgado e seco que, quando reidratado e preparado, resulta em pratos saborosos e tradicionais. Existem várias receitas de bacalhau para a Páscoa, como bacalhau a Brás, bacalhau com natas, bacalhau à Gomes de Sá, entre outras. Esses pratos tornaram-se uma parte significativa da culinária de Páscoa no Brasil, sendo apreciados em refeições festivas compartilhadas em família.

Além do significado religioso associado à Páscoa, a escolha do bacalhau também reflete a disponibilidade desse peixe nas regiões costeiras e a influência cultural dos colonizadores portugueses na culinária brasileira. Assim, o bacalhau tornou-se uma tradição gastronômica que une a celebração religiosa com elementos da cultura brasileira de origem europeia.

Sugestão saudável

Convido você a preparar nossa sugestão saudável, não só na Páscoa, mas como em qualquer época do ano, lembrando que enquanto o preço do bacalhau é alto no Brasil a mandioca tem preço muito baixo, fazendo com que o custo final do prato fique viável para parte das mesas brasileiras em qualquer época do ano.

Na receita a seguir incluímos a Rainha do Brasil, a mandioca – em termos de história, cultura, biodiversidade e nutrição. Tanto o bacalhau quanto a mandioca são alimentos ricos em nutrientes e podem complementar-se bem em uma refeição equilibrada. Um prato completo e delicioso.

Aqui estão alguns dos principais nutrientes encontrados em cada um desses alimentos:

Bacalhau
Proteína: O bacalhau é uma excelente fonte de proteína de alta qualidade.
Ômega-3: Rico em ácidos graxos ômega-3, que são benéficos para a saúde cardiovascular e cerebral.
Vitaminas: Contém vitaminas do complexo B (como B12, niacina e riboflavina), vitamina D e vitamina A.
Minerais: Fornecimento de minerais como selênio, fósforo e potássio.
Baixo teor de gordura: Bacalhau é uma opção magra de proteína.

Mandioca
Carboidratos: A mandioca é uma excelente fonte de carboidratos complexos, que fornecem energia de forma sustentável.
Fibra: Rica em fibras, contribuindo para a saúde digestiva.
Vitaminas: Boa fonte de vitamina C, vitamina do complexo B (especialmente ácido fólico) e vitamina K.
Minerais: Contêm minerais como manganês, potássio e magnésio.
Baixo teor de gordura: A mandioca é naturalmente baixa em gordura.

Ingredientes
1.200g de lombo de bacalhau (dessalgado)
1.500g de mandioca descascada e cozida
1 colher (sopa) de manteiga
200g de creme de leite
600g cebola, fatiada fina
2 litros de leite
50ml de azeite extra virgem
1 folha de louro
2 colheres de mostarda (Dijon)
13 azeitonas pretas inteiras, sem caroço
Salsinha fresca a gosto
Sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto
300g de requeijão cremoso ou creme de queijos

Modo de preparo

Recebe as últimas notícias!

Não perca nenhuma notícia, receba cada matéria diretamente no seu e-mail!

Junte-se a 95 outros assinantes

1 – Cozinhe o bacalhau dessalgado numa panela com o leite e desligue quando ferver. Conte cinco minutos e tire da panela. Passe para uma travessa e, com um garfo, separe o bacalhau em lascas grandes.

2 –  No leite que cozinhou o bacalhau, coloque as mandiocas cozidas, junte uma pitada de sal, deixe ferver 2 a 3 minutos. Escorra e amasse. Transfira para uma panela e junte o leite que cozinhou o bacalhau e a manteiga. Mexa para incorporar e montar o creme e obter um purê, se quiser pode bater com mixer, prove o sal. Junte o creme de leite para maior cremosidade.

3 – Em uma frigideira, refogue a cebola com azeite, junte o louro, um pouquinho de sal, mexa até deixá-las lourinhas e macia. Reserve.

4 – Bata com um batedor de arame (fouet) o requeijão ou creme de queijo, coloque pimenta do reino e 2 colheres de mostarda. Ficará cremoso.

5 – Montagem:
Em refratário onde será servido, coloque:
a) Uma camada de creme de mandioca, a metade do creme. 
b) Uma camada de bacalhau em lascas grossas, espalhe bem
c) Uma camada de  cebolas douradas
Atenção especial: Na metade do Creme de Mandioca que sobrou junte o creme de queijos ou requeijão com mostarda, já preparado e bata bem.
d) Cubra com o purê de mandioca especial, se quiser decorar e deixar mais bonito, coloque em saco de confeitar com bico pitanga e modele rosetas.

6 – Leve ao forno 180° C, médio, para gratinar (30 min) ou até dourar. Decore ao servir, com azeitonas pretas.

7 – Sirva com uma linda e colorida salada de folhas verdes, cebola, pimentões assados sem pele, alho picadinho, azeitonas, temperados com azeite e vinagre de vinho ou de maçã.

Fotos: arquivo pessoal


Ana Maria Ruiz Tomazoni

Ana Maria Ruiz Tomazoni - Doutora em Educação (PUC-SP), Mestre em Gerontologia Social (PUC-SP) e Pós-Graduada em Hotelaria e Eventos pelo Senac SP. É fundadora e Diretora Pedagógica da Escola de Gastronomia Sabor & Saber. Atua como docente, educadora alimentar, pesquisadora, escritora e palestrante. É avó de 7 netos e uma eterna aprendiz. E-mail: [email protected]. Site: www.saboresabergastronomia.com.br. Facebook Sabor & Saber Gastronomia. Instagram: saboresabergastronomia

Compartilhe:

Avatar do Autor

Ana Maria Ruiz Tomazoni

Ana Maria Ruiz Tomazoni - Doutora em Educação (PUC-SP), Mestre em Gerontologia Social (PUC-SP) e Pós-Graduada em Hotelaria e Eventos pelo Senac SP. É fundadora e Diretora Pedagógica da Escola de Gastronomia Sabor & Saber. Atua como docente, educadora alimentar, pesquisadora, escritora e palestrante. É avó de 7 netos e uma eterna aprendiz. E-mail: [email protected]. Site: www.saboresabergastronomia.com.br. Facebook Sabor & Saber Gastronomia. Instagram: saboresabergastronomia

Ana Maria Ruiz Tomazoni escreveu 40 posts

Veja todos os posts de Ana Maria Ruiz Tomazoni
Comentários

Os comentários dos leitores não refletem a opinião do Portal do Envelhecimento e Longeviver.

Descubra mais sobre Portal do Envelhecimento e Longeviver

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading