A saúde deve ser cuidada ao longo da vida

A saúde deve ser cuidada ao longo da vida

A qualidade de vida durante o envelhecimento depende de uma integração de cuidados individuais, familiares e governamentais.

Por Tulio Shiraishi (*)


A população brasileira está cada vez mais velha. De acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2021, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a parcela de pessoas de 60 anos ou mais cresceu em 39,8% entre 2012 e 2021. Com o crescimento desse grupo etário, a sua qualidade de vida durante o envelhecimento depende de uma integração de cuidados individuais, familiares e governamentais.

Em 2012, a população brasileira de 60 anos ou mais era de aproximadamente 23,5 milhões. Nove anos depois, a quantia é de quase 33 milhões, o terceiro grupo mais numeroso das faixas etárias calculadas. Em um recorte de sexo, o feminino prevalece como o mais longevo e cresceu, em média, 30,2% desde a primeira pesquisa.

O cuidado com idosos

Para que os idosos estejam física e mentalmente saudáveis são necessárias as medidas tomadas durante a vida. É o que diz Rosa Chubaci, professora do Departamento de Gerontologia da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP: “Tudo vai depender da ação que o próprio idoso e sua família vai fazer para que esse idoso fique por mais tempo possível saudável e com qualidade de vida”, diz. Ela explica que é preciso fazer um planejamento de rotina de exercícios físicos, de modo que o indivíduo esteja ativo, mas reconhece que uma parcela limitada tem a condição financeira para isso.

A garantia de saúde plena dos idosos começa com atividades físicas, porém, não se restringe a elas. A professora aponta a importância de estabelecer vínculos sociais, além daqueles com os familiares. “Construir novas amizades e incluir também pessoas jovens nesse rol de amigos para que ele tenha esse inter-relacionamento social”, comenta ela. Com esses primeiros passos, ligados ao bom funcionamento cognitivo, a memória e a saúde mental tendem a ser preservadas no processo de envelhecimento.

Rosa vê motivos para o aumento no porcentual de idosos no Brasil: “É o resultado de toda uma política pública em relação à saúde. E, hoje, é comum a longevidade das pessoas”, afirma. Ela desenvolve o raciocínio ao mencionar o avanço da tecnologia em termos de medicamentos, procedimentos e tratamentos de saúde. O incentivo à prática de atividades físicas e alimentação saudável são outros pontos fundamentais no quadro e são consequência da “escolaridade e da informação”, na visão dela: “Tudo isso faz com que nós tenhamos cada vez mais condições de atingirmos 80, 90, 100 anos”.

Em grupos específicos, os cuidados a serem tomados também são específicos. No caso da doença de Alzheimer, que afeta diretamente a memória do indivíduo, a professora conta: “A Associação Brasileira de Alzheimer (ABRAz), além de oferecer apoio ao idoso, oferece à família, que muitas vezes não sabe lidar com uma pessoa com demência”. Esquecer das atividades, dos nomes dos familiares e de acontecimentos recentes são exemplos da conduta de pacientes com Alzheimer. Ela ainda indica que a assistência e atendimento a esse público também ocorre em centros de convivência, Unidades Básicas de Saúde (UBS) e universidades.

Receba as últimas notícias!

Não perca nossas principais notícias e notícias que você precisa saber todos os dias em sua sua caiza de entrada.

A mudança necessária

O envelhecimento e a velhice sofreram uma mudança gradativa, na opinião da professora da EACH: “Hoje, a questão dos idosos tem muito mais direitos sendo atribuídos a essa população e isso faz com que as pessoas mudem seus hábitos diários para que cuidem de si mesmos”. Serviços públicos e privados auxiliam no processo de envelhecimento e Rosa exemplificou com dois deles: o programa Centro-Dia para o idoso (CDI), executado pela Prefeitura Municipal de São Paulo, e as Instituições de Longa Permanência para Idosos (Ilpi).

No primeiro, o idoso dá entrada no acompanhamento pela manhã e vai embora no final da tarde. “Nesses centros de convivência, eles fazem atividades, têm momentos de lazer, exercitam a memória e praticam atividades físicas. Então, esses hábitos estão mudando e as pessoas idosas, como seus familiares, precisam saber que isso é importante para o envelhecimento deles”, esclarece.

Por sua vez, a Ilpi, também conhecida como asilos e casas de repouso, é “um paradigma que está em mudança”, para ela. A melhoria na qualidade e a crescente necessidade das famílias tem rompido com o preconceito na utilização desse espaço de acolhimento de idosos. “Tem um momento da vida em que a família vai precisar desse serviço, não é abandono. É um cuidado que a família vai ter, mas dentro de uma instituição de longa permanência, onde ele [o idoso] vai ter mais qualidade de vida, principalmente no caso de idosos mais dependentes ou mais demenciados”, conclui.

A professora ressalta a necessidade de serviços e políticas públicas que possam ajudar a população a envelhecer melhor. Com assistências voltadas aos idosos e aos seus familiares, ela recomenda que seja considerado o seguinte pensamento: “É sempre importante destacar que o velho não é o outro. O velho é você amanhã”.

(*)Tulio Shiraishi escreve para o Jornal da USP no Ar 

Ilustração de Elf-Moondance/Pixabay


https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/novo/cursos/cuidador-ilpi/

Portal do Envelhecimento

Compartilhe:

Avatar do Autor

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento escreveu 4184 posts

Veja todos os posts de Portal do Envelhecimento
Comentários

Os comentários dos leitores não refletem a opinião do Portal do Envelhecimento e Longeviver.