A geração de “Granfluencers” e o seu lugar na cibercultura

Como um influencer, a geração de Granfluencers também é heterogênea e não pode ser classificada de maneira simplista e generalizada, pois ela tem suas particularidades.


Oficialmente, respeitam-se todos os anciãos, mas estes só têm real influência se forem possuidores de conhecimentos e capacidades: do contrário, não lhes é confiada nenhuma função. (Beauvoir, 2018, p. 40)


O termo “Granfluencers” foi tema principal da pesquisa realizada por Thiago Henrique Campos, que resultou na dissertação de mestrado intitulada Granfluencers: da velhice à senioridade digital, apresentada na Universidade do Porto, em 2020. A pesquisa de Campos buscou compreender as pessoas idosas como integrantes ativas no ciberespaço, como influenciadores nas redes sociais digitais, nomeadas Granfluencers, a partir de dois casos de perfis do Instagram: Baddie Winkle e Iris Apfel.

O estudo revela que a presença destes dois perfis no espaço digital indica autenticidade, autoridade e credibilidade; e que para além disso, ambos os perfis estimulam a intergeracionalidade, bem como influenciam o pensamento, o comportamento e o consumo de diversas faixas etárias. Campos chega a apontar que as Granfluencers estão contribuindo para a contínua construção de uma sociedade digital mais diversa e inclusiva.

Baddie Winkle: fotos do Instagram

Afinal, o que significa “granfluencer?”

O termo está em fase de aprovação pelo dicionário Collins com tradução livre de “uma pessoa idosa que é um influenciador nas mídias sociais”. Ou seja, uma nova nomenclatura capaz de incluir as pessoas idosas no ciberespaço, porém de forma a diferenciá-las dos jovens influencers e garantir que sejam reconhecidas pelo tipo de conteúdo produzido.

O estudo de Campos foi feito através de uma análise exploratória no instagram, onde foram encontradas mais de 6.308 influencers com mais de 65 anos de idade, cuja maioria fala sobre um assunto em comum: o estilo de vida nesta fase da vida. A pesquisa focou nas influenciadoras que ultrapassavam um milhão de seguidores, encontrando, assim, duas mulheres americanas, com os seguintes perfis: @baddiewinkle e @iris.apfe.

Fotos de Iris Apfel/Instagram

Sendo o estilo de vida um assunto muito amplo, as diferentes criadoras de conteúdo diversificam nos assuntos abordados. Baddie apresenta um envelhecimento sem pudores, enquanto Iris exibe aspectos do mundo da moda e a relação com a sua aparência física.

A investigação fala sobre o valor da autenticidade e a importância deste fator para criar uma relação sólida com o público, a fim de gerar um sentimento de conexão e de representatividade para quem acompanha, visto que atualmente muitos influenciadores são considerados “vendidos”, por não oferecerem um conteúdo de valor, apenas preocupados em gerar rentabilidade para as marcas que os patrocinam.

Um outro aspecto levantado na investigação é o caráter “disruptivo” das granfluencers que traz uma nova visão sobre o envelhecimento, capaz de desfrutar da vida de formas mais diversificadas e fora do padrão social estabelecido em que a pessoa idosa é limitada, sendo esse um tema que necessita de cautela e de uma análise social complexa, a fim de avaliar os impactos desta disruptiva, e não cair em uma perspectiva de marketing etário, como é o caso de muitos jovens.

Não perca nenhuma notícia!

Receba cada matéria diretamente no seu e-mail assinando a newsletter diária!

Atualmente, no Brasil, já é tido como conhecido algumas personalidades que se encaixam neste ramo de atividade digital de “granfluencers”, podendo ser destacadas as integrantes do grupo “Avós da Razão” (avosdarazao), assim como a Coracy Arantes (@blogdacora) e também a Dona Dirce (@donadirceferreira) que intitula os seguidores como “seguiNETES”, fazendo menção ao novo termo indiferenciado de gênero.

Este ainda é um assunto muito contemporâneo e que requer maior aporte teórico para ser discutido com profundidade, visto que a emergência deste fenômeno ainda é muito recente. Campos ressalta que “os Granfluencers de hoje podem estar a resgatar as narrativas de suas juventudes” (2020, p. 95)

Referências
BEAUVOIR, Simone. A Velhice. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2018 CAMPOS, Thiago Henrique. Granfluencers: da velhice à senioridade digital. Dissertação de mestrado em Multimédia – Especialização em Cultura e Artes, pela Universidade do Porto, 2020.


https://longeviver.com/conecta/edital-itau-pesquisa-2022.php?

Thaís Teixeira Carvalho

Formada em Serviço Social, especialista em Gerontologia. Atuou durante 4 anos em uma ILPI filantrópica e desenvolve conteúdos nas redes sociais sobre serviço social e envelhecimento. E-mail: [email protected]. Instagram: @longevamente. Linkedin: https://www.linkedin.com/in/tha%C3%ADs-teixeira-carvalho-b64aa945/. Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCH9LmmAkYe1uicMQZ1L0W1Q

Compartilhe:

Avatar do Autor

Thaís Teixeira Carvalho

Formada em Serviço Social, especialista em Gerontologia. Atuou durante 4 anos em uma ILPI filantrópica e desenvolve conteúdos nas redes sociais sobre serviço social e envelhecimento. E-mail: [email protected]. Instagram: @longevamente. Linkedin: https://www.linkedin.com/in/tha%C3%ADs-teixeira-carvalho-b64aa945/. Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCH9LmmAkYe1uicMQZ1L0W1Q

Thaís Teixeira Carvalho escreveu 9 posts

Veja todos os posts de Thaís Teixeira Carvalho
Comentários

Os comentários dos leitores não refletem a opinião do Portal do Envelhecimento e Longeviver.

LinkedIn
Share
WhatsApp
Email