O envelhecimento do envelhecimento no Brasil e no mundo

O envelhecimento do envelhecimento no Brasil e no mundo

Haverá um envelhecimento do envelhecimento, isto é, as faixas etárias mais “jovens” da população idosa vão crescer em ritmo mais lento do que as faixas etárias mais “velhas”.


O século XX foi marcado pela transição demográfica, ou seja, pela redução das taxas de natalidade e mortalidade no mundo e na maioria dos países. A transição demográfica provoca, necessariamente, uma mudança de longo prazo na estrutura de idade, com redução da base e alargamento do topo da pirâmide etária. Por conseguinte, o século XXI herdará os efeitos da transição demográfica e será marcado pelo envelhecimento populacional.

O número e a proporção de idosos vai aumentar no Brasil e no mundo, como apontam os novos números das projeções populacionais da Divisão de População da ONU, mostrados no artigo “Os 12 países com maior quantidade de idosos no século XXI”, publicado aqui no Portal do Envelhecimento (Alves, 05/08/2022). Mas haverá também um envelhecimento do envelhecimento, isto é, as faixas etárias mais “jovens” da população idosa vão crescer em ritmo mais lento do que as faixas etárias mais “velhas”.

As quatro pirâmides populacionais da figura abaixo mostram como tem crescido a população idosa do Brasil e como as faixas acima de 70 anos crescem mais rápido do que as duas faixas compreendidas entre 60 e 69 anos. Em 1950, o Brasil tinha 2,2 milhões de idosos, sendo que havia 1,4 milhão na faixa de 60 a 69 anos (representando 66% do total de idosos). No ano 2000, o número de idosos passou para 14,5 milhões de pessoas, sendo 8,5 milhões na faixa de 60 a 69 anos (59% do total de idosos).

Para 2050, a projeção é que o Brasil tenha 66,5 milhões de idosos, sendo 30,9 milhões na faixa de 60 a 69 anos (representando 46,5% do total de idosos) e, para o ano de 2100, a projeção indica 73,3 milhões de idosos, sendo 23,1 milhões na faixa de 60 a 69 anos (31,5%) e 50,2 milhões acima de 70 anos (representando 68,5%). Portanto, as faixas com maior crescimento são aquelas de 70 anos e mais de idade.

O gráfico abaixo apresenta de forma mais resumida para o Brasil os dois grupos de idosos: 60 a 69 anos e 70 anos e mais de idade. Nota-se que, em 1950, havia 1,4 milhões de idosos de 60-69 anos e 738 mil idosos de 70 anos e mais. No ano 2000, havia 8,5 milhões de idosos de 60-69 anos e 5,9 milhões de idosos de 70 anos e mais. Em 2050, o número de idosos de 60-69 anos (30,9 milhões) já será menor do que o número de idosos de 70 anos e mais (35,6 milhões). Mas a predominância dos idosos de 70 anos e mais fica claro na segunda metade do século XXI, pois, em 2100, serão 23,1 milhões de idosos mais “jovens” (60-69 anos) e 50,2 milhões de idosos mais “velhos” (70 anos e mais).

As quatro pirâmides populacionais da figura abaixo mostram como tem crescido a população idosa no mundo e como, globalmente, as faixas acima de 70 anos crescem mais rápido do que as duas faixas compreendidas entre 60 e 69 anos. Em 1950, o mundo tinha 199 milhões de idosos, sendo que havia 124 milhões na faixa de 60 a 69 anos (representando 62,3% do total de idosos). No ano 2000, o número de idosos passou para 610 milhões de pessoas, sendo 339 milhões na faixa de 60 a 69 anos (55,5% do total de idosos).

Para 2050, a projeção é que o mundo tenha 2,1 bilhões de idosos, sendo 985 milhões na faixa de 60 a 69 anos (representando 46,2% do total de idosos) e, para o ano de 2100, a projeção indica 3,1 bilhões de idosos, sendo 1,2 bilhão na faixa de 60 a 69 anos (37,5%) e 1,9 bilhão acima de 70 anos (representando 62,5%). Portanto, as faixas que mais crescem são aquelas de 70 anos e mais de idade.

O gráfico abaixo apresenta de forma resumida para o mundo os mesmos dois grupos de idosos: 60 a 69 anos e 70 anos e mais de idade. Nota-se que, em 1950, havia 124 milhões de idosos de 60-69 anos e 75 milhões idosos de 70 anos e mais. No ano 2000, havia 339 milhões de idosos de 60-69 anos e 271 milhões de idosos de 70 anos e mais. Em 2050, o número de idosos de 60-69 anos (985 milhões) será menor do que o número de idosos de 70 anos e mais (1,15 bilhão de idosos). Mas, assim como no Brasil, a predominância dos idosos de 70 anos e mais fica claro na segunda metade do século XXI, pois serão 1,2 bilhão de idosos mais “jovens” (60-69 anos) e 1,93 bilhão de idosos mais “velhos” (70 anos e mais).

Portanto, o Brasil e o mundo vão, além de envelhecer, ter uma população idosa cada vez mais concentrada nas faixas superiores da estrutura etária. A expectativa de vida ao nascer será de 88 anos no Brasil e de 82 anos no mundo no final do século. Hoje em dia existe um grande percentual da população mais idosa com problemas de saúde e com diversos tipos de incapacidade. Portanto, a principal tarefa das próximas décadas será diminuir a morbidade e avançar com o envelhecimento saudável e ativo.

Recebe as últimas notícias!

Não perca nenhuma notícia, receba cada matéria diretamente no seu e-mail!

Referências
ALVES, JED. Demografia e Economia nos 200 anos da Independência do Brasil e cenários para o século XXI (com a colaboração de GALIZA, F), ENS, maio de 2022. https://ens.edu.br:81/arquivos/Livro%20Demografia%20e%20Economia_digital_2.pdf

ALVES, JED. Os 12 países com maior quantidade de idosos no século XXI, Portal do Envelhecimento, 05/08/22.

Foto destaque de pixabay


José Eustáquio Diniz Alves

Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas - ENCE/IBGE. Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: [email protected]. Link do CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/2003298427606382E-mail: [email protected]

Compartilhe:

Avatar do Autor

José Eustáquio Diniz Alves

Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas - ENCE/IBGE. Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: [email protected]. Link do CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/2003298427606382E-mail: [email protected]

José Eustáquio Diniz Alves escreveu 66 posts

Veja todos os posts de José Eustáquio Diniz Alves
Comentários

Os comentários dos leitores não refletem a opinião do Portal do Envelhecimento e Longeviver.

LinkedIn
Share
WhatsApp
Email