Fenômenos climáticos afetam, e muito, a dignidade das velhices

Fenômenos climáticos afetam, e muito, a dignidade das velhices

Presenciar fenômenos climáticos e ter que sair de casa tem sido um enorme sofrimento.


No mundo todo chegam notícias de fenômenos climáticos importantes, transformando paisagens, alterando rotas comerciais, mas principalmente, impactando na qualidade de vida de pessoas que sofrem com perdas materiais e desequilíbrio da saúde mental.

A partir disso, ficou evidente a necessidade de se considerar o tema das mudanças climáticas como importante na formação dos novos médicos, preparados para os desastres ambientais neste milênio.

Uma matéria publicada no G1, intitulada “Por que as mudanças climáticas deveriam fazer parte do currículo das faculdades de medicina”, assinada por Mariza Tavares, assinala o seguinte:

Os efeitos do aquecimento global, com temperaturas cada vez mais altas, representam um sério risco, porque podem levar a desidratação, doenças cardiovasculares e derrames causados pelo calor. (…) o papel da poluição no desenvolvimento de inúmeras enfermidades, de quadros mais severos de asma a demências; a possibilidade do aumento do número de desastres naturais sobrecarregando emergências; sem contar os aspectos relacionados à saúde mental num cenário desses.

Para pessoas idosas os efeitos são ainda mais graves, consideradas as taxas de morte dessa população. A especialista em planejamento urbano Danielle Arigoni propõe maior atenção da população de todas as idades na matéria intitulada “Por que os idosos devem se engajar na questão das mudanças climáticas”. Ela diz que:  

Os mais velhos deveriam se juntar aos jovens para cobrar ações efetivas dos governos para deter o aquecimento global: “Até os negacionistas, que insistem que não está havendo uma mudança climática, vêm sendo confrontados com a realidade. Dependendo da área onde moram, seus imóveis têm se desvalorizado, enquanto o valor do seguro residencial vem aumentando significativamente”.

De acordo com ela, no Canadá as apólices de seguro doméstico estão tendo seus preços majorados em função de incêndios, tempestades severas e inundações. Além disso, as ondas de calor são mais frequentes e especialmente perigosas para os velhos. O professor da faculdade de medicina da Universidade da Califórnia aponta, ainda, que aumentam as doenças infecciosas.

“Estamos falando de invernos mais quentes e verões tórridos e de doenças como dengue, zika e até malária, assim como o aumento do número de casos de infecções causadas por fungos”.

A extensa inundação que ainda assola o estado do Rio Grande do Sul demonstrou que as dificuldades no resgate das pessoas atingidas foram ainda maiores quando eram idosas, com restrições de mobilidade e com o apego aos objetos que amealharam ao longo da vida.

Recebe as últimas notícias!

Não perca nenhuma notícia, receba cada matéria diretamente no seu e-mail!

Para essas pessoas, sair de casa tem sido um sofrimento, sendo inimaginável presenciar a mudança tão radical de paisagens consideradas seguras. Deixaram a própria história no passado, ficando expostos a perigos ainda maiores quando a expectativa seria viver a velhice com o conforto e a segurança que só a própria moradia pode oferecer.


Da Redação Portal: SOS para as velhices do Rio Grande do Sul
Vamos entrar na rede de solidariedade pelo povo do Rio Grande do Sul? Decida onde aplicar seu Imposto de Renda, doando para o Fundo Municipal da Pessoa Idosa de Porto Alegre. Até o final de maio, muitas pessoas terão que preencher a Declaração Anual do Imposto de Renda e, ao completá-la (no caso o formulário completo), o programa da Receita Federal permite, no ato da Declaração, que você destine 6% do seu imposto devido aos projetos sociais aprovados pelos diversos Fundos Municipais e estaduais (tanto de Idosos quanto de Crianças e Adolescentes) existentes no país, sendo: 3% do IR para projeto com foco em Idosos e mais 3% com foco em Crianças e Adolescentes

Se você tem imposto a restituir, o valor total destinado será automaticamente SOMADO na sua restituição, atualizado pela Taxa Selic.
Se você tiver imposto a pagar, o valor total destinado será automaticamente SUBTRAÍDO do saldo devedor.


Foto: Wikipedia


Maria Luisa Trindade Bestetti

Arquiteta e professora na graduação e no mestrado da Gerontologia da USP, tem mestrado e doutorado pela FAU USP, com pós-doutorado pela Universidade de Lisboa. Pesquisa sobre alternativas de moradia na velhice e acredita que novos modelos surgirão pelas mãos de profissionais que estudam a fundo as questões da Gerontologia Ambiental. https://sermodular.com.br/. E-mal: [email protected]

Compartilhe:

Avatar do Autor

Maria Luisa Trindade Bestetti

Arquiteta e professora na graduação e no mestrado da Gerontologia da USP, tem mestrado e doutorado pela FAU USP, com pós-doutorado pela Universidade de Lisboa. Pesquisa sobre alternativas de moradia na velhice e acredita que novos modelos surgirão pelas mãos de profissionais que estudam a fundo as questões da Gerontologia Ambiental. https://sermodular.com.br/. E-mal: [email protected]

Maria Luisa Trindade Bestetti escreveu 70 posts

Veja todos os posts de Maria Luisa Trindade Bestetti
Comentários

Os comentários dos leitores não refletem a opinião do Portal do Envelhecimento e Longeviver.

LinkedIn
Share
WhatsApp
Email

Descubra mais sobre Portal do Envelhecimento e Longeviver

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading