Comer conforme a estação do ano. Viva os cozidos!

Comer conforme a estação do ano. Viva os cozidos!

Lembrar-se dos cozidos é muito bom nesses dias mais frios, pois são acolhedores, quentinhos e saudáveis. Viva as leguminosas.


Quando pensamos em estações do ano, principalmente verão e inverno, já relacionamos cada uma ao que mais gostamos no modo de viver, desde o simples vestir uma roupa à alimentação. Como alguém que ama cozinhar, quero aqui sugerir alguns pratos que ajudam na imunidade durante o clima mais frio e também como pratos quase únicos e quentes. E também uma boa opção para o Dia das Mães que se aproxima.

No Brasil, por conta do clima tropical, não seguimos muito os cardápios dos calendários sazonais.  Um exemplo é nossa feijoada contemplada nos cardápios semanais na maioria dos restaurantes. O ano todo.  

Como estamos no mês de maio e já temos noites e dias mais frios, esse será o fio condutor para nossa sugestão.

Foto de cottonbro studio/pexels

Quem é descendente de espanhóis, as memórias afetivas e gustativas lembram “os garbanzos”  um delicioso “puchero”  e quase isso “um pozodero” como cozinham os mexicanos. Aqui abro uns parênteses para contar que quando estava num hotel em Monterrey (México), tinha disponível, no café da manhã, esse cozido. Chamou-me atenção e perguntei ao garçom e ele confirmou que é hábito servir esse prato com grãos de bico e de milho branco no café.

Minha memória de avó paterna sempre foi de deixar de molho os grãos de bico à noite e, pela manhã, todos ajudando manualmente a tirar a pele de cada grão. As crianças riam muito dos “casos” contados pela vó e pelo vô em torno da mesa, enquanto tiravam a pele do grão.

Lembrar-se da nossa feijoada, do puchero e do cassole para os franceses é sempre muito bom nesses dias mais frios, pois são acolhedoras, quentinhas, saudáveis e possuem variedades de alimentos em carnes e vegetais. Os cozidos com alimentos sazonais (que temos na época) garantem mais frescor, mais sabor e são mais nutritivos.

Os grãos são, nutricionalmente falando, fontes em fibras, minerais e vitaminas em todas as fases da vida. Eles harmonizam com grande variedade de condimentos, ervas e carnes.

Mas antes de passar as receitas e comentários gostaria de citar um “Manifesto dos Feijões e das Leguminosas”. Um texto traduzido por Lucas Mourão, porta voz da Comunidade Slow Food Beagá, extraído de um texto original dos parceiros do Projeto Global Beans, com o objetivo de conectar os promotores da biodiversidade de feijões e leguminosas.

Na missão de educar com alimentos, a importância das nossas escolhas e consciência alimentar são fundamentais para uma melhor longevidade, assim como conhecer os alimentos, de onde vem, quem planta, como são produzidos.  Como exemplo, a biodiversidade alimentar pode interferir em nosso Planeta e em cada um de nós. Você já pensou nisso?

O que são leguminosas?  Como definir?

As leguminosas são grãos nascidos em vagens. Entre os exemplos mais populares, estão a lentilha, ervilha, grão-de-bico, amendoim e todas as variedades de feijões. São grandes fontes de nutrientes e podem ajudar qualquer tipo de dieta.

Como ativista do Movimento Slow Food Brasil me senti inspirada a escrever esta matéria e compartilhar esse conteúdo internacional com os leitores do Portal do Envelhecimento. O Manifesto dos Feijões e Leguminosas é muito interessante, nos dá a conhecer estudos mundiais sobre esse tema, e fornece sugestões da arte culinária para variarmos os grãos mantendo quase os mesmos ingredientes, apenas mudando o grão!

Nossa sugestão de ensopado que segue abaixo, mas mudando o grão para feijão branco é divino e quentinho!

Acesse o site do Slow Food Brasil, você vai se surpreender!

Puchero – cozido à moda espanhola

Ingredientes
– 200g – 1 Costela com osso descongelada e cortada em ripas
– 280g – 2 xícaras (chá) de Lombo fresco ou descongelado e cortado em cubos médios
– 70 g de Bacon em cubos
– 2 gomos de Paio cortados em rodelas grossas
– 1 gomo de língua calabresa
– 2 ½  xícaras (chá) de grão de bico (pré-cozido)
– 3 litros de água ou se você tiver caldo caseiro de carne ou frango
– 2 folhas de louro
– 1 amarrado de ervas (bouque garní)
– 1 colher (sopa) de óleo vegetal
– 1 cebola descascada e cortada em cubos pequenos
– 4 dentes de alho descascados e picados
– 1 colher (sobremesa) de açafrão da terra
– 2 tomates cortado em cubos pequenos
– 2 cenouras descascadas e cortadas em cubos
– 2 xícaras (chá) de vagem cortadas ao meio
– 2 batatas descascadas e cortadas em cubos
– 1 pimenta dedo de moça
– Sal e pimenta do reino
– Azeite e salsa ou coentro picado, para finalizar.

OBS: Há outras versões desse prato com outras carnes como frango, etc.,  dependendo do país ou região onde são preparados! A verdade é que fica um cozido muito especial em nutrientes e sabores inesquecíveis!

Modo de preparo
1- Coloque os grãos com metade da água e o louro em uma panela de pressão e cozinhe por 30 minutos depois que pegar pressão. Reserve;

Receba as últimas notícias!

Não perca nossas principais notícias e notícias que você precisa saber todos os dias em sua sua caiza de entrada.

2- Em uma panela grande, aqueça o óleo e doure um pouco de alho e bacon frite, junte a costela; adicione o lombo e deixe dourar. Por último, acrescente a linguiça e o paio e doure. Frite separadamente depois junte;

3- Acrescente a cebola, o alho, o açafrão, e as demais especiarias, refogue bem. Junte a cenoura, as batatas, os tomates e refogue rapidamente; adicione o restante da água e os grãos pré-cozidos. Deixe a vagem para os 5 minutos finais. Cozinhe até os legumes ficarem macios e o caldo engrossar;

4- Finalize com salsa fresca ou coentro, regue azeite e sirva bem quente.

Cozido a moda marroquina: Tagine à minha moda (ensopado) com grão de bico 

tagine é um prato tradicional típico de diversos países do norte de África, sobretudo de Marrocos. Compartilho com vocês, leitores do Portal, uma receita à minha moda.

Ingredientes 
– 300 de peito de frango bem limpo, sem pele e em cubos de 2 cm
– 300 g de carne bovina em cubos
– 1 colher (chá) de canela em pó
– 1 colher (chá) de cominho em pó
– 1 colher (chá) de gengibre em pó ou fresco ralado.
– 1 colher (sopa) de molho de pimenta-vermelha
– 2 colheres de sopa  de manteiga
– 1 cebola  picadinha
– 2 dentes de alho picadinhos
– 1 colher  de café de açafrão
– 1 litro de água
– 1 amarrado de ervas variadas e  diferenciadas(salsa, cebolinha, hortelã, salsão, alho poro etc.)
– 2 cebolas  grandes em fatias finas
– 2/3 xícara (chá) de uva passa escura
– 2 batatas grande picadas  e 2 cenouras picadas
– 2 xícaras (chá) de grão de bico cozido

Modo de preparo
1 – Num recipiente médio, misture o frango e a carne bovina macia, 2 colheres de chá de canela, o cominho, metade do gengibre e o molho de pimenta e deixe repousar fora da geladeira por 1 hora.

2 – Acrescente um fio de azeite, metade da manteiga, a cebola picadinha, o alho, o frango, e carne temperados, um pouco de pimenta e o açafrão. Refogue por 5 a 7 minutos.

3 – Tampe e aqueça, mantendo o fogo baixo por uns 2 minutos e mexendo de vez em quando, até soltar um caldinho. Então, adicione a água e o amarrado de ervas, tampe parcialmente a panela e cozinhe por aproximadamente 20 minutos, junte o grão de bico se necessário mais agua ou caldo caseiro de carne ou frango, se tiver até que a carne esteja bem macia.

Pode ser levado no forno com a panela tagine tampada, por 30 minutos.

Sirva quente! E aproveite de todos os aromas!

Imagens: arquivo pessoal. Foto destaque de Neosiam 2021/pexels.


https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/novo/courses/narrativas-cremilda/

Ana Maria Ruiz Tomazoni

Ana Maria Ruiz Tomazoni - Doutora em Educação (PUC-SP), Mestre em Gerontologia Social (PUC-SP) e Pós-Graduada em Hotelaria e Eventos pelo Senac SP. É fundadora e Diretora Pedagógica da Escola de Gastronomia Sabor & Saber. Atua como docente, educadora alimentar, pesquisadora, escritora e palestrante. É avó de 7 netos e uma eterna aprendiz. E-mail: [email protected]. Site: www.saboresabergastronomia.com.br. Facebook Sabor & Saber Gastronomia. Instagram: saboresabergastronomia

Compartilhe:

Avatar do Autor

Ana Maria Ruiz Tomazoni

Ana Maria Ruiz Tomazoni - Doutora em Educação (PUC-SP), Mestre em Gerontologia Social (PUC-SP) e Pós-Graduada em Hotelaria e Eventos pelo Senac SP. É fundadora e Diretora Pedagógica da Escola de Gastronomia Sabor & Saber. Atua como docente, educadora alimentar, pesquisadora, escritora e palestrante. É avó de 7 netos e uma eterna aprendiz. E-mail: [email protected]. Site: www.saboresabergastronomia.com.br. Facebook Sabor & Saber Gastronomia. Instagram: saboresabergastronomia

Ana Maria Ruiz Tomazoni escreveu 39 posts

Veja todos os posts de Ana Maria Ruiz Tomazoni
Comentários

Os comentários dos leitores não refletem a opinião do Portal do Envelhecimento e Longeviver.

Descubra mais sobre Portal do Envelhecimento e Longeviver

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue lendo