Diagnóstico de demência e cuidar interdisciplinar

Diagnóstico de demência e cuidar interdisciplinar

A diretriz enfatiza a importância de envolver as pessoas com demência, juntamente com suas famílias e cuidadores, nas decisões sobre seus cuidados e em ouvir suas opiniões. Não há como cuidar com apenas o olhar de uma disciplina, sempre é preciso um cuidar interdisciplinar.

 

Após 10 anos sem revisão, o Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (NICE), referência em cuidados baseados em evidências científicas para o mundo médico, atualizou sua diretriz sobre diagnóstico, tratamento e apoio para pessoas com demência na Inglaterra. Estima-se que mais de 850 mil pessoas no Reino Unido foram diagnosticadas com demência e que este número deve praticamente dobrar nos próximos 30 anos.

As recomendações do NICE seguem as orientações publicadas recentemente sobre cuidados de demência do Departamento de Saúde e Assistência Social do Reino Unido, reforçando que não há como cuidar de pessoas idosas, principalmente as pessoas com demência, com apenas o olhar de uma disciplina, sempre é preciso um cuidar interdisciplinar.

Para o diagnóstico de demência, a diretriz destaca que este deve sempre basear-se em um histórico médico detalhado que inclua sintomas cognitivos, comportamentais e psicológicos, e como estes afetam a vida diária da pessoa. A informação deve vir sempre da própria pessoa suspeita de ter demência e, se possível, de um membro da família ou de outra pessoa que a conheça bem.

É ressaltado a importância dos exames laboratoriais como ferramentas para diagnosticar e tratar demências secundárias reversíveis e a importância da utilização de testes cognitivos validados (que, embora normais, nem sempre excluem o diagnóstico).

A diretriz destaca a necessidade de uma investigação detalhada sobre os medicamentos que a pessoa utiliza, pois vários medicamentos comumente prescritos à idosos podem estar associados ao comprometimento cognitivo, sendo portanto causas de quadros reversíveis, bastando sua retirada.

Recebe as últimas notícias!

Não perca nenhuma notícia, receba cada matéria diretamente no seu e-mail!

Comentando sobre a nova diretriz, o Dr. Matthew Norton, diretor de política e estratégia da Alzheimer’s Research United Kingdom, disse:

Ainda precisamos de formas mais confiáveis ​​de detectar doenças como a doença de Alzheimer, e é por isso que é crucial continuar a pesquisa para desenvolver melhores ferramentas de diagnóstico.

A importância dos cuidados centrados na pessoa é destacada pela diretriz, bem como a necessidade de apoio ao cuidador.

Quanto ao tratamento farmacológico, não ocorreram mudanças na diretriz, devendo a memantina continuar reservada apenas para utilização em casos de demência moderada a grave e não para casos leves. Os anticolinérgicos continuam indicados, mas não para casos cujo diagnóstico é apenas de comprometimento cognitivo leve.

A diretriz enfatiza a importância de envolver os portadores, juntamente com suas famílias e cuidadores, nas decisões sobre seus cuidados e em ouvir suas opiniões. Deve-se fornecer informações também precisas sobre o tipo de doença e o prognóstico de tal forma que esta informação possa ser compreendida pela pessoa recém-diagnosticada e devem incluir a necessidade de planejamento antecipado de cuidados e o acesso a serviços de apoio locais.

A avaliação da segurança domiciliar e outras necessidades de autocuidado devem ser realizadas, usando calendários, relógios e gráficos para ajudar na orientação; usando iluminação para reduzir a confusão e inquietação à noite; e garantir que o meio ambiente seja seguro, removendo móveis desnecessários. Se uma diretiva antecipada de vontade ou testamento vital não tiver sido preparada, esses documentos e outras discussões de final de vida devem ocorrer, resssalva a diretriz, sempre com participação do interessado.

Fontes:
https://bestpractice.bmj.com/topics/en-us/317
https://www.medscape.com/viewarticle/898435?src=soc_fb_180623_mscpedt_news_mdscp_ukdementia&faf=1

 

Maria Elisa Gonzalez Manso

Médica e bacharel em Direito, pós-graduada em Gestão de Negócios e Serviços de Saúde e em Docência em Saúde, Mestre em Gerontologia Social e Doutora em Ciências Sociais pela PUC SP. Orientadora docente da LEPE- Liga de Estudos do Processo de Envelhecimento e professora titular do Centro Universitários São Camilo. Pesquisadora do grupo CNPq-PUC SP Saúde, Cultura e Envelhecimento. Gestora de serviços de saúde, atua como consultora nas áreas de envelhecimento, promoção da saúde e prevenção de doenças, com várias publicações nestas áreas.

Compartilhe:

Avatar do Autor

Maria Elisa Gonzalez Manso

Médica e bacharel em Direito, pós-graduada em Gestão de Negócios e Serviços de Saúde e em Docência em Saúde, Mestre em Gerontologia Social e Doutora em Ciências Sociais pela PUC SP. Orientadora docente da LEPE- Liga de Estudos do Processo de Envelhecimento e professora titular do Centro Universitários São Camilo. Pesquisadora do grupo CNPq-PUC SP Saúde, Cultura e Envelhecimento. Gestora de serviços de saúde, atua como consultora nas áreas de envelhecimento, promoção da saúde e prevenção de doenças, com várias publicações nestas áreas.

Maria Elisa Gonzalez Manso escreveu 44 posts

Veja todos os posts de Maria Elisa Gonzalez Manso
Comentários

Os comentários dos leitores não refletem a opinião do Portal do Envelhecimento e Longeviver.

LinkedIn
Share
WhatsApp
Email

Descubra mais sobre Portal do Envelhecimento e Longeviver

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading