Ícone do site Portal do Envelhecimento e Longeviver

Covid-19 está associada ao aumento de bactérias resistentes na microbiotica intestinal

Alimentação saudável pode ser estratégia para tratar ou prevenir efeitos da Covid longa e quadros relacionados à disseminação de superbactérias no organismo


Uma pesquisa mostra pela primeira vez a associação entre Covid longa e alterações no funcionamento da microbiota intestinal. Mesmo quadros leves ou assintomáticos de Covid-19 estão relacionados à maior presença de bactérias resistentes a antibióticos no intestino quando comparados a indivíduos saudáveis. São constatações que pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e outros de instituições brasileiras e estrangeiras apontam em artigo publicado na revista “Gut Microbes” recentemente.

Foram observadas as amostras fecais de dois grupos de 131 voluntários, divididos entre aqueles que foram infectados pelo vírus da Covid-19 anteriormente e os que não tiveram a doença, verificando maior número de bactérias resistentes nas fezes no primeiro grupo. As pessoas que se voluntariam já estavam sem traços do vírus da Covid-19 e não tiveram casos graves da doença ou associados a hospitalizações.

Angelica Vieira, pesquisadora do Departamento de Bioquímica e Imunologia da UFMG e líder da pesquisa, explica que, “a origem do aumento da resistência bacteriana é incerta, podendo estar ligado ao uso excessivo de antibióticos sem prescrição ou à própria infecção pelo vírus”.

Para comprovar os dados, camundongos livres de germes receberam amostras de fezes humanas – coletadas meses após os voluntários terem tido Covid-19. Os animais manifestaram sintomas como baixa cognição, perda da memória, mudança da fisiologia intestinal e inflamação pulmonar, que comprometeu a resposta imune do pulmão desses camundongos na defesa subsequente a uma infecção bacteriana pulmonar. Já essas mesmas alterações, quando comparadas, não foram observadas nos camundongos que receberam fezes de pessoas que não tiveram Covid-19.

Antes da pandemia, os efeitos da má alimentação no aumento da resistência a antibióticos já era tema de estudo do grupo de Profa. Vieira. O intestino, na condição de reservatório desses microrganismos, já era olhado com atenção. O trabalho agora reforça a importância de conter o avanço das superbactérias no contexto da Covid-19. “A Covid-19 está acelerando outra pandemia que já estava prevista, a de organismos microbianos resistentes, como as superbactérias”, explica Angelica.

Recebe as últimas notícias!

Não perca nenhuma notícia, receba cada matéria diretamente no seu e-mail!

Tanto a canja rica em alimentos nutritivos das vovós quanto o alimento rico em fibras que trouxer melhor qualidade de vida é bom para nossa saúde, afinal, “entender os mecanismos de disseminação de bactérias resistentes nos ajuda a pensar em estratégias terapêuticas que mantêm a nossa microbiota benéfica que vive no nosso intestino e ajuda a ter uma imunidade e qualidade de vida bem melhor”, completa Angelica.

Futuros estudos do grupo da UFMG devem seguir investigando as sequelas pós-Covid na microbiota humana, mas o fato é que a adoção de padrões alimentares mais saudáveis – rica nutricionalmente e que aquecem ou confortam – como forma de prevenir ou reverter os sintomas da infecção são um caminho para uma vida mais saudável.

Fonte: Agência Bori

Foto destaque de Tima Miroshnichenko / pexels


Portal do Envelhecimento

Sair da versão mobile