Ícone do site Portal do Envelhecimento e Longeviver

4 entre 10 pessoas mortas por Covid-19 tinham comorbidades

De acordo com o estudo, as comorbidades isoladas com maior impacto nos desfechos de morte foram diabetes, seguida de obesidade e hipertensão.


Doenças como hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares e obesidade, denominadas doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), elevam o risco de evoluções graves e mortalidade por síndromes respiratórias agudas graves, como é o caso da Covid-19. Para os homens e idosos, os índices são ainda maiores. No geral, quase quatro entre dez pacientes atendidos em serviços de saúde de todo o país nos anos de 2020 a 2022, que morreram por conta da evolução da Covid-19, tinham ao menos uma comorbidade. Os resultados estão reunidos em um estudo publicado recentemente na Revista Frontiers.

A pesquisa buscou analisar a associação dos efeitos provocados pelas síndromes respiratórias agudas graves em pessoas com DCNT e a taxa de mortalidade naquelas que receberam atendimento clínico em mais de 21 mil pacientes de 6.723 serviços de saúde ao redor do Brasil na pandemia (2020 a 2022). O grupo amostral possuía homens e mulheres de diferentes faixas etárias, que receberam atendimento clínico e possuíam, pelo menos, uma comorbidade.

A pesquisa destacou que metade (48.4%) dos pacientes analisados com apenas uma comorbidade evoluíram para recuperação, enquanto 20,5% evoluíram para óbito. As comorbidades isoladas com maior impacto nos desfechos de morte foram diabetes, seguida de obesidade e hipertensão.

Segundo o pesquisador José Cláudio Garcia Lira Neto, a pesquisa surgiu da rotina de trabalho com pessoas com condições crônicas como diabetes, hipertensão e obesidade. “Essas são enfermidades que demandam de um gerenciamento longo e contínuo, envolvendo mudanças no comportamento, que muitas vezes são difíceis e negligenciadas. Durante a pandemia, no entanto, além dos desafios no autocuidado por conta dessas doenças, as pessoas ainda tinham que estar atentas à infecção da Covid-19”, conta José.

A observação do aumento de casos resultando em morte permitiu aos pesquisadores refletirem sobre a presença das DCNT como agravante nos casos de Covid-19 e demais síndromes respiratórias graves. De acordo com Lira Neto, os resultados da pesquisa enfatizam a necessidade de maiores cuidados para esses grupos e incita o planejamento e a organização de planos estratégicos operacionais para esses grupos de risco.

Recebe as últimas notícias!

Não perca nenhuma notícia, receba cada matéria diretamente no seu e-mail!

Lira Neto afirma que a pesquisa auxiliará na construção e no planejamento de políticas públicas de saúde voltadas às síndromes respiratórias e pacientes com condições crônicas.

“O estudo, além disso, dá suporte à prática clínica de médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde na condução de cuidados e no tratamento dos pacientes nessas condições, auxiliando no desenvolvimento de técnicas, produtos e fármacos que tenham como foco a prevenção e o tratamento dessas condições e da maior clareza para a necessidade de promoção de práticas saudáveis, em especial, em pacientes com condições crônicas não transmissíveis”, justifica o pesquisador.

Fonte: Agência Bori

Foto destaque de Ryutaro Tsukata/pexels.


Portal do Envelhecimento

Sair da versão mobile